DESEJO_E_HONRA_1432822791453489SK1432822791BDesejo e Honra
Autora:
Tatiane Durães
Ano:
2015 / Páginas: 152
Idioma:
Português
Editora: 
 Editora Deuses

Sinopse: 1890. O Brasil passava por sérias mudanças. Os escravos foram alforriados, porém, apenas no papel. Os italianos começaram a chegar em busca de uma vida melhor. A corrida pelo ouro terminara há muito tempo e o café com leite era o que sustentava a economia do país. Em Minas Gerais, uma única família ainda mantinha a atividade do minério, a família Leon, eles continuavam sendo abençoados, encontrando ouro em suas terras.O Conde de Leon, filho do monarca Duque de Leon, que, devido a idade, não conduzia mais os negócios. Conde que, apesar de bondoso, carregava no peito a enorme dor da perda. Sua esposa Cassandra falecera ainda muito jovem, e desde então ele nunca mais ficara atraído por nenhuma mulher, até aquele dia, 31 de outubro, quando uma jovem de cabelos negros e pele extremamente branca chegou em sua casa para ajudar na cozinha. Uma jovem bonita, delicada e inteligente. Assim, o Conde de Leon, finalmente percebeu que poderia se libertar do fantasma de sua falecida e amada Cassandra. Entretanto, a jovem carregava consigo um segredo: Linda, porém fatal.

Resenha: O blog Caçadoras de Spoiler participou do Booktour desse livro e está aqui a resenha que saiu como resultado ❤

A premissa do livro é muito boa, é uma mistura da Celaena Sardothien, de Trono de Vidro, com O Morro dos Ventos Uivantes, porque tem uma criminosa que é ótima com armas e ela é contratada para ajudar nas lições domésticas da casa de um homem viúvo super rico e aristocrático.

A narrativa é leve e fácil de ler, não se prende a muitos detalhes desnecessários, é bem objetiva e ao mesmo tempo intrigante.

Só que assim como em O Morro dos Ventos Uivantes, eu não gosto dos personagens principais… Pois é, e existem vários motivos para isso. Aqui está dois motivos para eu não gostar do Conde de Leon:

– Carmem levou para lavar, pois estava sujo de lama, ela também lhe limpou e lhe trocou enquanto eu fiquei do lado de fora. Não precisava chamá-la, poderia ter eu mesmo feito, mas não sou um cretino.

– Obrigada! – ela respondeu, cínica.

Nessa cena, eu até gostei da Amanda, porque francamente, né, ele esperava que ela agradecesse ou elogiasse ele por ser um homem digno e decente? Faça-me favor.

– Você tem um temperamento incrível, Amanda, é forte e corajosa, isso que mais me chamou atenção em você. Não é como aquelas jovens ensinadas desde novas a respeitarem as opiniões dos homens. Você é diferente e amo isso em você, mas quando revira os olhos desse jeito, tenho vontade de te amar, de beijar e de te bater por me desrespeitar.

A DIFERENTONA, NÉ? AQUELE 1%. Gente, isso é manipulação! Ele gosta que ela tenha opinião contanto que não seja diferente da dele. E ainda está colocando-a contra as outras mulheres e estimulando uma competição que não existe. Miga, larga esse cara!

Não gostei tanto da Amanda durante o decorrer da história, a personalidade forte dela era frequentemente apagada na presença do Conde, relatando se sentir submissa e até com medo dele! No final que a personagem feminina finalmente toma rédeas de situação e reúne forças para fugir dele e ir atrás de seus ideais. Gostei MUITO dela ter permanecido fiel aos seus princípios e não aceitado ir pelo caminho mais fácil (como eu achei que ela fosse fazer).

Outra coisa que me incomodou um pouco foi quando a Amanda descobriu que um personagem do livro era gay, e tipo ela falou “ele é uma moça?”. Esse tipo de linguagem, provavelmente era a linguagem da época, mas achei que a sexualidade do personagem não foi tratada de maneira adequada no livro. Primeiro, identidade de gênero (se identificar como mulher ou como homem), não tem a ver com sexualidade (gostar de mulher, de homem, dos dois, nenhum, etc.). Segundo, esse estereótipo de que gay tem uma paixonite pelo melhor amigo e fica tentando empatar o romance dele… Isso é bem chato, tem até na série Instrumentos Mortais, da Cassandra Clare, e estamos em 2016, acho que já dá pra superar, né.

Esse livro não é o primeiro livro da autora, a Tatiane Durães ainda tem uma trilogia de fantasia, chamada Trilogia Arcantatys (que ainda está no primeiro volume). Mas como é o primeiro romance de época da mesma, talvez por isso tenha tido esse pouco aprofundamento dos personagens e um pouco de voz, de uma característica narrativa marcante. Acho que principalmente nas cenas que tem narrativa focada no Conde e outras que é focada na Amanda, mas pareceu tudo o mesmo. Não acho um livro mal escrito, acho que a autora tem uma ótima escrita, é dinâmica, concisa e intrigante, mas acho que talvez ficasse melhor com apenas o ponto de vista da Amanda.

É um livro rápido de ler, interessante e com um final surpreendente, o único problema é o interesse romântico da principal, que é muito antipático e não tive como gostar em nenhum momento, e alguns personagens que ficaram muito unidimensionais. De resto, é uma ótima história e com certeza pretendo ler outros livros da autora ❤

1421404_756299351137153_424734720_n

Anúncios

12 comentários em “Desejo e Honra – Tatiane Durães

  1. Não conhecia o livro nem muito menos a autora, mas fiquei intrigada com a estória. Será que o conde não teve esse rompante de querer beijar, amar e bater por estar acostumado a não ser desrespeitado e contrariado pela sua posição social? Até porque na época citada no livro não era comum uma mulher ter voz e muito menos contrariar um homem, sendo ele conde ou não…
    Interessante…

    Curtir

    1. Acho que existem coisas que não podem ser justificadas pelo contexto histórico. E também não era comum pra época os pais treinarem suas filhas mulheres para serem qualquer coisa que não esposas e essa é a da história de vida da personagem principal (Amanda).

      De qualquer forma, mesmo considerando esse contexto histórico, seria obrigação da Amanda (a personagem feminina) ou do narrador exatamente fazer essa contextualização pra gente conseguir sentir simpatia por ele nos dias atuais, que afinal é quando está sendo publicado né.

      Curtido por 1 pessoa

  2. Apesar de gostar muito de romances de época, confesso que não senti atraída por este enredo. Talvez seja o casal e personagens ou até mesmo a forma como a autora construiu a estória, mas não devo julgar á obra antes de lê-la e conhecer sua escrita, não é mesmo?
    De qualquer forma, a capa é linda e se um dia surgir a oportunidade, eu lerei com toda a certeza.
    Bjs!

    Curtir

  3. Oi Lidia,

    É uma pena que a história não tenha funcionado para você, infelizmente isso acontece. Muito obrigada por ter participado do book tour.
    bjs

    Curtir

  4. Não conhecia o livro, mas fiquei curiosa pela sua resenha, eu gosto de livros que consigo me adaptar aos personagens, se não gosto deles não consigo nem terminar o livro, mas como a leitura é rápida você não precisou ficar muito tempo com essa personagem

    Curtir

  5. Olá!

    É tão ruim quando não gostamos do personagem principal né? Eu particularmente não gosto!
    Mas talvez tenha sido esse o objetivo da autora haha
    Achei essa história bem diferente, me despertou o interesse.

    Curtir

  6. Não conhecia esse livro, porém mesmo tendo conhecido antes não me interessaria por ele. Ele livro parece ter bastante clichês de romance e com certeza não vou gostar dele.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s