Marriage Of Inconvenience
Knitting In The City #7
Autora: Penny Reid
Ano: 2018 / Páginas: 352
Idioma: Inglês
Editora: Cipher-Naught

Amazon

Sinopse: Existem três coisas que você precisa saber sobre Kat Tanner (aka Kathleen Tyson… e sim, ela é *essa* Kathleen Tyson): 1) Ela está determinada a tomar boas decisões, 2) ela tem que se casar o mais rápido possível, e 3) ela sabe fazer croché. Ser uma herdeira bilionária não é lá essas coisas. Na verdade, é uma droga. Determinada a viver uma vida sossegada, Kat Tanner mudou sua identidade alguns anos atrás e evitou o levado de sua família. Mas agora, o passado de ouro de Kat finalmente a alcançou, assim como seus erros da adolescência. Para evitar um desastre iminente, ela tem que se casar imediatamente; é essencial que a pessoa que ela escolha não tenha quaisquer sentimentos românticos por ela  e seja completamente confiável. Claro, ela pode ter uma pequena crush por Dan O Segurança, mas com regras e expectativas claras, e um contrato legalmente assinado, Kat tem certeza de que pode passar por esse desafio com sua sanidade — e coração — intactos. Mas e se Dan O’Malley não for tão indiferente — ou confiável — quanto ela pensava? (Tradução do Blog Caçadoras de Spoiler)

Resenha: Apesar de bem escrito, novo livro da série Knitting in the City fala sobre medo de intimidade de maneira superficial e rasa.

Penny Reid anda explorando saúde mental em seus livros mais recentes, depois de Beard In Mind, no qual fala sobre TOC e ansiedade social. Marriage of Inconvenience também traz um olhar diferente sobre as relações íntimas, fazendo-nos pensar sobre assexualidade, medo de intimidade e o duplo padrão de sexualidade que temos para homens e para mulheres.

Em Marriage of Inconvenience , Kat é uma herdeira que precisa se casar  para impedir que seu primo Caleb consiga sua interdição por incapacidade mental. Para isso, ela pede ajuda de seu amigo/conhecido Dan, por quem já teve (e ainda tem) uma queda. O conflito é todo sobre a briga jurídica entre ela e o primo, Kat tentando entender qual exatamente o relacionamento dela com o Dan e suas dificuldades psicológicas, visto que ela tem medo de intimidade e não consegue fazer sexo sem estar bêbada.

Com relação ao aspecto psicológico, os acertos de Beard In Mind não foram bem replicados neste livro. Quando no primeiro, vemos a protagonista indo a sessões de terapia com seu companheiro, é explicado as técnicas e procedimentos que estão sendo adotados para a melhora da personagem, sempre com um profissional auxiliando. Neste livro, a situação fica superficial, pois apesar de entendermos as situações que ela já viveu e porque ela age de determinada maneira, o tratamento é pouco explorado, parecendo rápido e fácil demais. Não mostra nenhuma técnica de controle de ansiedade e as orientações psicológicas são feitas principalmente por meio da amiga da protagonista, a personagem Sandra, que é psicóloga; e apenas por telefone com a terapeuta.

Os momentos bons são aqueles em que expõe os duplos padrões sociais sobre sexualidade feminina e masculina, visto que na sociedade é normal vermos propaganda de remédios como viagra, que ajudam na vida sexual masculina. Mas quando o assunto é a vida sexual feminina, as mulheres que não tem orgasmo são vistas como tendo problema biológico irreversível e rotuladas como “frígidas”.

Outro momento interessante foi quando é falado sobre esquizofrenia, doença que a mãe de Kat tem e está internada em residência terapêutica devida à doença. Penny tenta desmistificar algumas coisas sobre a doença ao também falar sobre casos menos severos da doença, o que foi bom, apesar de curto e já no final do livro.

Os personagens são interessantes, porém todo o conflito e clímax são também superficiais, pouco perigosos e mal resolvidos. A relação de Dan com o irmão Seumus é ótima, uma relação de amor e ódio entre irmãos parecida com Thor e Loki dos filmes da Marvel. É claro, as personagens do grupo de costura estão muito bem. A Penny Reid tem um timing muito bom escrevendo eles em  várias histórias, sem nunca descaracterizá-los.

Resumindo, Penny escreve muito bem sobre os personagens que ela já conhece e idealiza há anos, porém os conflitos e as resoluções dos mesmos parecem pobres quando comparados às suas outras obras, especialmente Beard In Mind. É um livro bom, rápido de ler e interessante o suficiente.

Recomendo para quem gostou de Encontro Marcado (Isis Fogaça) e Freakshow (Jaden Wilkes).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s